sábado, 30 de outubro de 2010

a receita das sete latinhas



a medida é a latinha pequena de conserva. qualquer uma: milho verde, creme de leite, ervilha, ... mormente porque, alguns dos ingredientes desta receita, estarão acondicionados nelas, nas latinhas.

as sete latinhas
1 lata de creme de leite
1 lata de ervilha
1 lata de milho verde - eu utilizo o milho batido, com sua água, no liquidificador
1 lata de qualquer dos ingredientes:
  • peito de frango desfiado
  • sobrecoxa desfiada
  • presunto picado bem miúdo, ou passado no processador, ou ralado
1 lata de champignon em fatias
1 lata de maionese
1 lata de queijo gorgonzola amassado e/ou ricota amassada
1 colher de sopa do meu tempero ... a receita está aqui

como resolver a encrenca
preaquecer o forno na temperatura média - cada forno é um forno. aqui no lar o preaquecimento é nos 180 graus. untar, com óleo de canola, uma forma ou uma travessa de vidro refratário.
em uma vasilha, misturar os ingredientes e, depois de misturados, colocar a mistura na forma, ou refratário untado. salpicar com queijo ralado e levar ao forno.
servir com batata palha, com arroz branco, com variados tipos de pães ...

domingo, 24 de outubro de 2010

sozinha (o) ou acompanhada (o), faça uma festa, faça um bolo

mais uma receita de bolo que não leva farinha de trigo.

e quando não há comemoração que transforme um bolo em festa, a gente fica sem ele??? claro que não!!!
pensar nele, conferir ingredientes, imaginá-lo pronto, salivar só de lembrar, já são motivos suficientes pra festejar a saída triunfal de um bolo, de dentro do forno.
ele nem precisa começar por aquele creme do açúcar batido, agregado às gemas e à manteiga, tudo recebendo a pureza da farinha, integral ou não, e por fim as claras em neve, e o fermento. todo mundo junto, batido no liquidificador, é uma iniciativa rápida e eficiente. basta que seja realizada com dedicação e disposição. ter vontade de fazer um bolo, já é razão de sobra pra uma enorme festa.
os sabores, os cheiros, a lambança, o prazer, são como convidados chegando, caso você esteja sozinha (o).
e, se na hora de servir, ele estiver lambuzado por algum creme, sorvete ou rodeado por pedacinhos de frutas frescas e/ou secas??? aí sim!!! é o momento de infinito encantamento.

o bolo, diz a lenda, tem origem entre os deuses da grécia antiga, como homenagem a artemis, deusa da caça na mitologia grega. nos bolos feitos em sua homenagem eram colocadas velas como representação do luar.
por outro lado, dizem que o bolo foi criado no egito antigo e os romanos e gregos lhe deram uma feição de festa que foi determinada no renascimento.

quando chegou à alemanha - idade média - os campesinos festejavam o aniversário das crianças, ao raiar do dia, levando à cama dos filhos bolos com velinhas acesas para que eles apagassem ao acordar. isso não significa dizer que o número de velas correspondia ao número de anos do aniversariante. o bolo tinha, sempre, uma velinha a mais, como representação de continuidade da vida.

seu formato, tamanho, foram ganhando significado no decorrer do tempo.
reis e rainhas foram as cobaias que ajudaram a sacramentar a existência do bolo como objeto fundamental das festas, mormente, dos casamentos.
seja como for, de lá pra cá, ele impera como o d'us das comemorações, homenagens ou, simplesmente, para festejar qualquer momento que cada um de nós determine como merecedor de um bolo, em qualquer canto deste planeta.
no lar, todo mês, no dia 19, ao voltar da escola, o meu porrinha era recebido com um bolo de mesaniversário: chocolate coberto com brigadeiro mole, salpicado com confeitos. simples assim!!!

para a receita de agora, antes de qualquer providência, acenda o forno à temperatura média - cada forno é um forno. o meu, eu aqueço a 180 graus.
unte uma assadeira - redonda ou quadrada - pequena. caso seja grande, dobre a receita



a massa é batida no liquidificador
6 ovos
8 colheres de sopa de açúcar mascavo ou refinado
6 colheres de sopa de chocolate em pó - caso utilize nescau, diminua a quantidade do açúcar refinado. o mascavo, menos doce, pode manter a mesma quantidade
100g de margarina - 1 tablete forno e fogão
100g de coco ralado
1 colher de sopa de fermento químico

leve ao forno - pré-aquecido - por 30/40'.

faça uma cobertura/recheio
1 lata de creme de leite, sem o soro - preferencialmente, nestlé
6 colheres de sopa de chocolate em pó ou nescau
5 colheres de sopa de açúcar - reduza pra metade, a quantidade, caso utilize nescau
1 colher de sopa de margarina/manteiga

tudo junto na panela vai pro fogo, até ferver e alcançar o ponto de mingau. é rápido!!!
cubra o bolo ainda quente e na forma.
enquanto quente, fica uma delícia acompanhado de sorvete!
ou, espere esfriar, retire da forma, divida em duas partes, recheie e/ou cubra.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

chorando, eu??? não!!! é a cebola

a culpa é dos sulforetos e enzimas. quando cortamos a cebola, suas células se rompem, e esses elementos, livres!!! misturam-se entre si e dão origem ao ácido sulfénico. volátil, ele se transforma em gás que, em contato com a umidade natural de nossos olhos, provoca uma reação transformando-se em ácido sulfúrico. a defesa de nossos olhos é a irritação e, consequente, produção de mais umidade, as lágrimas, abundantes. e assim se dá ... o choro é compulsivo, desastroso, comovente.
tente algum paliativo:

  1. cortar cebolas em ambiente ventilado ou perto de um ventilador ligado, dispersará o gás.
  2. cortar cebolas mantendo as que as suportam, mergulhadas em uma vasilha cheia d'gua, ou sob água corrente, são alternativas eficientes, e que evitam o torrencial derramamento de lágrimas. o que ocorre é que o ácido sulfúrico vai se formar antes de entrar em contato com a umidade de nossos olhos.
para evitar o choro diário, siga um bom conselho: faça um tempero básico, periodicamente.
receita, aqui ... meu tempero.
aumente a quantidade de cebola, diminua a quantidade de alho, faça do seu gosto. ele tempera arroz, feijão, carnes, peixe, salada - coloque cru ou dê uma fritadinha em azeite de oliva, para temperar folhas, batatas cozidas, qualquer salada.


oda a la cebolla
pablo neruda
retirado de odas elementales
aqui, poema traduzido


cebolla
luminosa redoma,
pétalo a pétalo
se formó tu hermosura,
escamas de cristal te acrecentaron
y en el secreto de la tierra oscura
se redondeó tu vientre de rocío.

bajo la tierra
fue el milagro
y cuando apareció
tu torpe tallo verde,
y nacieron
tus hojas como espadas en el huerto,
la tierra acumuló su poderío
mostrando tu desnuda transparencia,
y como en afrodita el mar remoto
duplicó la magnolia
levantando sus senos,
la tierra
así te hizo,
cebolla,
clara como un planeta,
y destinada
a relucir,
constelación constante,
redonda rosa de agua,
sobre
la mesa
de las pobres gentes.

generosa
deshaces
tu globo de frescura
en la consumación
ferviente de la olla,
y el jirón de cristal
al calor encendido del aceite
se transforma en rizada pluma de oro.

también recordaré cómo fecunda
tu influencia el amor de la ensalada
y parece que el cielo contribuye
dándote fina forma de granizo
a celebrar tu claridad picada
sobre los hemisferios de un tomate.

pero al alcance
de las manos del pueblo,
regada con aceite,
espolvoreada
con un poco de sal,
matas el hambre
del jornalero en el duro camino.
estrella de los pobres,
hada madrina
envuelta en delicado
papel, sales del suelo,
eterna, intacta, pura
como semilla de astro,
y al cortarte
el cuchillo en la cocina
sube la única lágrima
sin pena.
nos hiciste llorar sin afligirnos.

yo cuanto existe celebré, cebolla,
pero para mí eres
más hermosa que un ave
de plumas cegadoras,
eres para mis ojos
globo celeste, copa de platino,
baile inmóvil
de anémona nevada
y vive la fragancia de la tierra
en tu naturaleza cristalina.


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

hora do chá, pompa e circunstância

nem por todo o chá da china, deixe de abrir todos os links.

o uso quintessencial do
chá é medicinal.

o chá, aos ingleses servido, nem sempre, às 17h00 ganhou fama a partir do século XVII, assim que holandeses e portugueses passaram a se interessar pelas traquitanas e aromas do oriente.
os lusitanos deixavam rastros por onde passavam e na inglaterra, o casamento de catarina de bragança com carlos II, teve como dote, a permissão para que os ingleses navegassem além mares portugueses. o império britânico se espalhou.
mas, além da essência política, o dote possuia um regalo valioso: uma arca abarrotada de chá, a mais valiosa das iguarias.
já, àquela altura, o chá merecia lugar de destaque nos costumes da nata da sociedade portuguesa. o casamento entre uma lusitana e um britânico, possibilitou a introdução desse costume na corte inglesa.
a cerimônia em torno do chá das 17h00 tornou-se emblemática naquele reino.
leia qualquer coisa a mais

afonso lopes vieira nascido em leiria, vivido em lisboa - 1878/1946 - era formado em direito, por coimbra, e foi redator da câmara dos deputados, apoiava o renascentismo português e era representante do neogarretismo. em leiria, a biblioteca municipal teve origem com a doação do espólio e livraria particular, do escritor.
sobre o chá e os ingleses, ele escreveu assim:
"se um inglês ao passar me olhar com desdém,
num sorriso de dó eu pensarei:

- pois bem!
se tens agora o mar e a tua esquadra ingente,
fui eu que te ensinei a nadar, simplesmente.
se nas índias flutua essa bandeira inglesa,
fui eu que t´as cedi num dote de princesa.
e para te ensinar a ser correcto já,
coloquei-te na mão a xícara de chá."

o chá, na inglaterra foi, até o final do século XVIII, privilégio da aristocracia. custava muito caro.
o desenvolvimento da navegação, quando surgiram barcos mais velozes, possibilitou a queda do preço do chá, que passou a ser consumido fora dos portões da corte britânica.
a literatura inglesa, popular, registra horas de inusitado prazer, através do chá da tarde servido por miss marple, a mais simpática personagem desvendadora de crimes dos livros de agatha christie.
da melhor porcelana, passando pelo mais reluzente faqueiro e a mais delicada toalha de linho e renda, chega-se ao chá extraído de folhas purinhas e escorridas por um coador de prata.

o leite, as alvas pedrinhas de açúcar, as finas fatias de limão, acondicionados em graciosos utensílios de porcelana e cristal, completam o arranjo.
como acompanhamento não faltam triangulares e delicados sanduíches, biscoitos amanteigados e bolos, tudo acomodado num suporte circular de 3 ou 4 andares forrados com pequenas e arredondadas toalhas, também de linho, também rendadas.
nota da autora: o suporte para bolo, sanduiches, biscoitos, ... poderá ser improvisado sobrepondo-se pratos de vários tamanhos, em ordem crescente, intercalados com canecas, jarras ou potes de vidro, vazios, sem tampa.
as geléias, o mel, a coalhada fresca e a manteiga estarão perfeitamente colocados em potinhos ou pratos de porcelana.
em dia de sol, miss marple não priva seus comensais de um bucólico chá das 5h00, ao ar livre.

enfim, o chá inglês é único e é servido com leite.
para esquentar o bule, ferva água, e coloque nele.
guarde o bule aquecido, contendo a água fervente, sobre o fogão ou dentro do forno, agasalhado por uma toalha de mesa.
enquanto isso, ferva mais àgua. fervida a segunda água, jogue fora aquela que está no bule, substituindo-a pela nova.
coloque, imediatamente, as folhas do chá dentro dessa água - folhas ou saquinhos, você escolhe. não mexa. deixe assim por 2 ou 3 minutos. mais tempo, mais forte.
no momento de servir, não esqueça!!! o chá deve ser colocado sobre o leite.
então, proceda assim: numa caneca coloque 1 dedo de leite frio e, sobre ele, o chá quente.
o leite frio vai servir como equilibrio para a temperatura do chá. antigamente, a medida era utilizada para não quebrar a porcelana pelo choque com o líquido muito quente.
contudo, caso o leite seja colocado sobre o chá quente, ele vai esquentar o leite, e o sabor lácteo vai sobressair.
indecoroso, né não???
adoce com pouco açúcar. o leite permite isso.

sendo este, um blogg democrata recomendo, a seguir, algumas heresias:


  1. chá de amendoim

  2. 250 g de amendoim torrado e processado bem fino
    1 litro de leite
    1 lata de leite condensado

    preparo
    junte todos os ingredientes em uma panela funda e leve para ferver, quando levantar fervura mexa por alguns minutos e pronto.
    Indicado para beber quente.


  3. geladinho

  4. 1 litro de chá mate
    2 pacotes de suco de pêssego - pode ser o light
    1 forminha de gelo
    1 litro de água

    preparo
    bater tudo no liquidificador colocar o gelo e bater levemente, para que o gelo possa se transformar em pequenas pedrinhas.


  5. chá cheiroso

  6. 1 3/4 xícara (chá) de suco de laranja
    ½ xícara (chá) de açúcar
    1 colher (chá) de canela em pó
    1 colher (chá) de noz moscada
    1 colher (sopa) de licor de laranja
    raspa da casca de 1 laranja
    2 galhos de hortelã fresca
    2 maças sem casca processadas
    6 uvas Itália cortadas ao meio sem caroço
    1 pêra sem casca processada
    2 xícaras (chá) de água
    1 saquinho de chá mate

    preparo
    na chaleira coloque o suco, o açúcar, a canela, a noz moscada, o licor, a casca de laranja, e a hortelã. ferva.
    em fervura coloque as frutas mexendo por aproximadamente 1 minuto.
    coloque a água e o chá mate e deixe ferver por mais 3 minutos. sirva.


  7. chá de gengibre

  8. 2 xícaras de chá de leite
    1 1/2 xícara de chá de água
    2 colheres de chá de chá preto
    1 fatia de gengibre
    2 cravos
    2 paus de canela
    4 cardamomos

    preparo
    tudo posto em uma panela funda, leve ao fogo baixo e ferva por 15 minutos, mexendo de vez em quando para o leite não derramar
    sirva coado.


  9. chá mate

  10. 1/2 litro de chá mate sem açúcar ... bem gelado!!!
    l5 colheres de sopa de leite em pó
    1 colher de café de chocolate em pó
    4 colheres de sopa de leite condensado ou, se preferir, coloque mais de 4 colheres

    preparo
    bater o chá gelado no liquidificador, por 20 ou 30 segundos, com o chocolate em pó e o leite condensado
    a seguir, adicionar as colheres de leite em pó, uma a uma, até agregá-las à mistura batida no liquidificador, para que fique cremosa. servir em canecas.
mais, e apropriadas, receitinhas

é isso.


abracadabra et, voilà!!!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

a gente merece um doce

é notável a familiaridade dos adoçantes artificiais com pessoas que fazem uso deles por questão de saúde, porque estão acima do peso, e até pelos magros, como prevenção.

pela/na web/internet, os textos incluindo pesquisas, ou não, são inúmeros e discurssam sempre pelo mesmo caminho: nada de exageros, faça uso consciente, os edulcorantes - os adoçantes artificiais - fazem mal, o açúcar faz mal, o ideal é utilizar açúcar mascávo, bom mesmo é não adoçar, ...
colecionei boa quantidade de opiniões, e sugiro que leiam:

  1. Benefícios e cuidados na hora de utilizar um adoçante

  2. Entenda as diferenças entre os principais tipos de açúcares e adoçantes

  3. Adoçantes artificiais

  4. Adoçantes artificiais e naturais
tudo com o propósito de abrir caminho para uma receita deliciosa de bolo. afinal, um bolinho adoçado com algum daqueles adoçantes recomendados aos que não querem recolher algum peso em seus corpinhos esbeltos, ou aos que estão tentando deixar de lado os quilos a mais, indesejáveis, não há de fazer mal.
faz mal, o exagero.
costumo utilizar na culinária, o açúcar união light. ele adoça o dobro. recomendo que na receita a seguir, vcs façam o mesmo.




bolo de iogurte com limão

ingredientes
1 pote de iogurte natural desnatado - o copinho vai servir como medida pra outros ingredientes desta receita
1/2 copo de óleo de canola
1 copo de açúcar light ou adoçante artificial - seja qual for, deve ser granular
2 copos de farinha de trigo integral ou branca
3 ovos
1 colher de sopa de fermento químico
casca ralada de 1 limão

mãos à obra!!!
ligue o forno na temperatura média - 180 graus.
unte uma forma de buraco no meio.
bata as claras em neve.
em outra travessa bata todos os outros ingredientes: açúcar, gemas, iogurte, óleo, farinha.
pare de bater acrescente as raspas de limão, misture.
acrescente o fermento, misture.
leve ao forno para assar até que o palito saia limpinho.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

bolo de chocolate



...
(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)
..."
- trecho de, tabacaria, poema escrito por álvaro de campos - um dos heterónimos de fernando pessoa -

ingredientes
2 xícaras de farinha de trigo integral ou branca
2 xícaras de açúcar mascávo ou refinado
1 xícara de leite
6 colheres de sopa cheias de chocolate em pó ou achocolatado - com achocolatado o bolo fica mais leve
6 ovos
1 colher de sopa de fermento em pó

como fazer
ligue o forno a 180 graus - temperatura média.
unte um tabuleiro com margarina e farinha de rosca.
bata as claras em neve, inclua as gemas e bate mais um pouco, coloque o açúcar e continue batendo.
junte a farinha, o chocolate em pó, o fermento, o leite, e bata.
coloque no tabuleiro untado e leve ao forno pré-aquecido para assar, até que o palito saia sequinho.


enquanto o bolo assa prepare a cobertura
leve ao fogo, mexendo sempre, até que ferva:
2 colheres de chocolate em pó ou achocolatado
1 colher de margarina
meio copo de leite.
derrame quente, sobre o bolo também quente.


requeri/regina claudia

sábado, 2 de outubro de 2010

galinhada


tipicamente goiano - naquela região, ela é preparada num fogão de lenha, leva guariroba, uma espécie de palmito amargoso, e pequi - a galinhada é o prato amigo da cozinheira. a refeição do prato único.
prestar-se à produção de uma galinha é garantir um prato delicioso, completo, surpreendente, com muitos odores e sabores.
durante a confecção dessa comida boa e aromática, e depois que todos estão fartos, resta pouca louça pra lavar.
a base da galinhada, além da galinha, é arroz, vegetais, açafrão da terra, e muito tempero.
a receita serve 6 pessoas, sem parcimônia, mas pode ser reduzida.

na panela - grande
9 sobrecochas, sem pele, cortadas ao meio
1/2 copo de molho de soja
1/2 copo de pinga
1/2 copo de vinagre de limão
1 copo de água
açafrão da terra e ervas, quais desejar
coloque os ingredientes acima, em uma caçarola grande, e deixe cozinhar até secar o líquido

dando gosto
3 colheres de sopa, fartas, do meu tempero
1 tablete de caldo de galinha
1 tablete de caldo de costela
5 tomates, sem pele, cortados em pedaços grandes
5 pimentões verdes, cortados em pedaços grandes
2 cebolas cortadas em pedaços grandes
4 conchas de arroz
secando a água do frango, acrescente a ele, as 3 colheres do meu tempero e os 2 tabletes - galinha e costela. refogue.
coloque os pimentões, os tomates, as cebolas, incorpore tudo à galinha, mexendo com cuidado, e junte as 4 conchas de arroz, mecha cuidadosamente, misturando. cubra com água, mantenha o fogo baixo e espere o arroz cozinhar.

deite um fio de azeite extra virgem sobre ela, leve à mesa na própria panela, e sirva com farinha de mandioca, com tutu de feijão, com molho vinagrete, ou com nenhum acompanhamento.
galinhada, se basta!!!